Últimas notícias:

Publicidade Legal com Certificação Digital. “Lei 13.818/2019, que alterou o art. 289, da Lei das S/As. Em vigor desde 1º/01/2022.

Percentual é considerado pequeno, mas preocupa especialistas

Dos brasileiros, 16% não vacinam filhos

Primeiro dia da campanha estadual do Dia D de Vacinação Contra o Sarampo no Rio de Janeiro, caminhão itinerante da Secretaria Estadual de Saúde

Dos brasileiros, 16% consideram desnecessário aplicar nos filhos vacinas contra doenças que já não circulam mais no País. O dado consta do Inquérito de Cobertura Vacinal das crianças nascidas em 2017 e 2018, que contou com 38 mil entrevistas.

Embora seja aparentemente pequeno em relação à amostra, o número gera preocupação entre especialistas, já que o Brasil vem deixando de cumprir as metas de coberturas vacinais e apresenta queda nos números de vacinação desde 2015.

Sem o cumprimento das metas, aumentam as chances de o Brasil voltar a enfrentar doenças que, até então, eram consideradas eliminadas ou controladas, como a Poliomielite. Como o País não registra casos da Poliomielite desde 1989, muita gente pensa que não é mais necessário vacinar-se.

O que ocorre, no entanto, é que, quanto menos pessoas se vacinarem, mais aumenta o risco de a doença voltar a se desenvolver no País. Foi o caso do Sarampo, por exemplo. O Brasil recebeu o certificado de eliminação da doença em 2016, mas, três anos depois, perdeu o reconhecimento.

Dificuldades

A pesquisa demonstrou, ainda, que um pequeno número de pessoas (cerca de 3% dos entrevistados) resolveu não levar os filhos para receber uma ou mais vacinas. Desse total, 24,5% informaram que não o fizeram por causa da pandemia de Covid-19 ou por medo da reação às vacinas (24,4%).

Outros disseram ter tentado levar os filhos para tomar vacinas, mas encontraram dificuldades para fazê-lo (7,6% dos entrevistados). A principal dificuldade relatada foi o fato de o posto de saúde ficar longe da residência ou do local de trabalho (o que foi apontado por 21%).

Ainda entre as entrevistas, houve pessoas que ressaltaram falta de tempo (16,6%), horário inadequado de funcionamento do posto (14,1%) e até falta de meio de transporte para chegar ao local de vacinação (12%).

“A consequência da hesitação vacinal, que é devida a múltiplos aspectos, é fazer com que a cobertura seja baixa. Isso permite o retorno de doenças já eliminadas”, disse José Cássio de Moraes, professor titular da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e coordenador do inquérito.

Foto: Agência Brasil

Pais de crianças com autismo protestam contra medida de plano de saúde

Estado tem seis das 10 cidades com menores taxas de homicídio do Brasil

Fiscalização de trânsito faz 19 autuações no Jardim Zulmira

Empresário que atirou contra casal é preso

Estreia na Copa América é vista como oportunidade

Amarelinha encara Costa Rica na próxima segunda-feira (24), às 22 horas, nos EUA

Itu e Salto sediam Mostra de Modelismo Ferroviário

Evento começa no próximo dia 22 na Estação Ferroviária de Itu e Salto e terá entrada franca


Anuncie aqui!

Prencha e entraremos em contato!